Weby shortcut 1a5a9004da81162f034eff2fc7a06c396dfddb022021fd13958735cc25a4882f
topo.jpg

OFICINA DE INTRODUÇÃO À MÁSCARA DO CLOWN

OFICINA DE INTRODUÇÃO À MÁSCARA DO CLOWN

      com Bete Dorgam

 

dia 11/12, das 09 às 12hs, na sala 08 da EMAC no Campus I - Praça Universitária (atrás do Museu Antropológico)

 

 

I.              Objetivo              Introdução às máscaras do clown

 

II.            Metodologia       Jogos de integração que permitam aos participantes

um contato lúdico com os companheiros

 

Jogos e exercícios que estimulem no participante

a escuta de si mesmo, do outro e do espaço

 

                                               A poética do clown: informações teóricas sobre

                                               a origem e o desenvolvimento da máscara através

                                               dos tempos e suas possibilidades expressivas

 

                                               O clown de cada um – estímulos para a pesquisa

                                               e elaboração do palhaço de cada participante e suas

                                               relações de jogo

                                  

 

    III.            Público-alvo:        Atores e interessados em geral,a partir de 16 anos

           

     IV.          Carga horária:  3 horas

 

 

Vagas: 30

Local: sala 08, EMAC, Campus I, Praça Universitária (atrás do Museu Antropológico)

Valor: 20,00

 

 

 

Mini-currículo – Bete Dorgam

DRT: 8.694

 

Formação Profissional 

É atriz, diretora e professora de Interpretação. Doutora em Artes Cênicas (ECA/USP), mestra em Ciências da Comunicação (ECA/USP) e Especialista em Comunicação Social (Universidade de Navarra – Espanha). Atriz formada pela EAD – Escola de Arte Dramática (EAD/ECA/USP), Bacharel em Publicidade e Propaganda (ECA/USP) e em Jornalismo (Faculdades Cásper Líbero). Sua formação inclui diversos cursos na área de especialização em Teatro, Interpretação e Linguagem Clownesca (Cristiane Paoli-Quito, Phillipe Gaulier, Leris Colombaione, Maria Helena Lopes, Rubens Correa, Ron Daniels, Cleyde Yaconis, Hamilton Vaz Pereira e outros).

 

Experiências recentes

 

- como atriz trabalhou nos espetáculos Casting (texto de Alexander Galin ,dir.Marco Antonio Rodrigues), Orinoco (texto de Emilio Carballido,dir.Dagoberto Feliz), El dia que me quieras (texto de J. Cabrujas e direção Marco Antonio Rodrigues - indicação prêmio Shell de melhor atriz, 2005), Babilônia (texto de Reinaldo Maia direção de Marco Antonio Rodrigues),  Cabaré da Santa (texto de Reinaldo Maia, dir.Dagoberto Feliz), Querida Helena (direção Iacov Hillel), Quadri Matzi e A Banda (direção Cristiane Paoli-Quito - melhor atriz pela Apetesp em A Banda), Fim de Jogo (texto de Samuel Beckett e direção Rubens Rusche), Histórias de Nova York (textos de Dorothy Parker e direção de Odavlas Petti), Os últimos dias de solidão de Robinson Crusoé (texto de J. Savary e direção Pedro Paulo Bogosian), Tio Vânia (texto de A.Tchekhov e direção de Celso Frateschi  e O banquete (direção e coletânea de textos feita por Celso Frateschi), Dindinho do Coração da Mamãe (texto de Ilder M.Costa e direção de Roberto Lage), Tango (texto de S. Mrozek e direção de Roberto Lage), Kalldewey Farsa (texto de Botho Strauss e direção Rubens Rusche), Aoi (texto de Y. Mishima e direção Antonio Araújo), A lua começa a ser real (textos de Fernando Pessoa e direção Antonio Abujamra), A menina e o vento (texto de M. Clara Machado e direção André Garolli), A corda bamba (direção de Johanna Albuquerque), A casa de Bernarda Alba (texto de F.G.Lorca e direção Ewerton de Castro), Álbum de Família, (texto de Nelson Rodrigues e direção Antonio Petrin). Atualmente participa dos ensaios da peça  Casting, de Alexander Galin, com direção de Marco Antonio Rodrigues.

 

- como diretora teatral e co-fundadora da Cia. Dramática de Teatro dirigiu os espetáculos KD Eu?, pesquisa de “Clown” de criação coletiva com a turma 55 da EAD (2007/2009 na EAD, Oficina Cultural Oswald de Andrade e cidades do interior de SP) e a comédia lírica O Chá de Alice (a partir de textos de Lewis Carroll - parte da tese de doutorado sobre a utilização da máscara clownesca no processo de treinamento do ator). È também co-fundadora do Núcleo Ópera de Risco no qual dirigiu três óperas: La Serva Padrona (de Pergolesi), Il Mondo della Luna, (de Haydn), Bastian e Bastienne (de Mozart). Dirigiu ainda Aviso às Borboletas (texto de Jorge Miguel Marinho), O Burguês Fidalgo (texto de Molière - um ano em cartaz em toda a cidade de São Paulo – “teatro de rua sobre a Kombi”), O diário de Anne Frank (compilado por Otto Frank), A doce flor da solidão (texto de Solange Dias), O terrível Exército de Brancaleone.

 

- como diretora para TV do Projeto Senta que lá vem comédia da TV Cultura nos espetáculos Se o Anacleto soubesse (de Paulo Orlando), Esse ovo é um galo (de Lauro Cesar Muniz); no Projeto Direções, também na TV Cultura no espetáculo Fellini sobre as águas, texto de sua autoria (2007) e Uma escada para a Lua (2008) 

 

- como professora leciona Interpretação Teatral na Escola de Arte Dramática (EAD/ECA/USP – desde 2000) e é a Artista Formadora na área de Humor na SP Escola de Teatro. Lecionou  na Oficina de Atores Nilton Travesso ( 2001/7). Foi professora na Escola de Teatro Ewerton de Castro (1996 a 1999), no Teatro Escola Célia Helena (1995 a 1998), no Teatro Escola Macunaíma (1990 a 1995). Ministrou Oficinas diversas de interpretação e linguagem clownesca (Secretaria de Estado da Cultura, Secretaria Municipal de Cultura, SESC, SESI, Studio das Artes, Usina das Artes, Galpão do Folias, Teatro Denoy de Oliveira, grupo Maquinaria, Engenho Teatral, Oficina Cultural Oswald de Andrade, Projeto Transformando com Arte patrocinado pelos Doutores da Alegria, etc.)

 

- Foi  vice-diretora do TUSP (Teatro da Universidade de São Paulo) e da EAD/USP

 

 

                                              

                                              

 

 

 

Listar Todas Voltar